“João Gentil mudou a imagem do acordeão, transformando-a num instrumento doce, sentimental e capaz de exprimir do seu interior uma beleza melódica arrepiante.” in Diario as Beiras